segunda-feira, 31 de maio de 2010

Monstros sagrados do rock




Aerosmith se despede do Brasil em grande estilo

Adreana Oliveira
Editora

Jornal Correio de Uberlândia - Atualizada: 30/05/2010 - 22h16min

Se o show ocorrido no sábado (29), no Parque Antártica, em São Paulo foi o último do Aerosmith no Brasil não se sabe. O que se constata após quase duas horas de shows é que, se quiserem, eles podem continuar a rodar o mundo enquanto tiverem fôlego para tal e sem gravar novos discos. Afinal, nessas quatro décadas de história, eles já prestaram um serviço inestimável para o rock and roll.

Quando a banda de despediu com o tradicional “obrigado, boa noite”, ficou aquela sensação de que “faltava alguma coisa”. Para alguns, hits como “Jane´s Got a Gun” ou “I Don´t Want To Miss a Thing”; para outros, resposta a perguntas como “vocês vão mesmo se aposentar?”

Segundo a Time for Fun, o público no Parque Antártica para o concerto desta “Cocked, locked, ready to rock tour” foi de 35 mil pessoas. Na plateia, a idade variava dos 12 aos 60 anos, casais, grupos de amigos e famílias inteiras reunidas serviram de testemunhas para a redenção dos amigos Joey Perry (guitarra) e Steven Tyler (vocal).

No ano passado, Perry chegou a “demitir” Tyler do grupo e anunciar que procurava um novo vocalista. Ele deve ter recobrado o juízo por que é difícil imaginar Aerosmith sem Mr. Tyler, seu vocal inconfundível, suas roupas espalhafatosas e a atitude apimentada de rock star.

Eles abriram o show já ovacionados com "Eat The Rich", do album “Get a Trip” (1993). A histeria aumentava cada vez que Tyler se aproximava das extremidades do palco, tocava gaita ou soltava seus clássicos agudos. Durante toda a apresentação, ele, Perry e mais Brad Whitford (guitarra), Tom “Sweet Emotion” Hamilton (baixo) e Joey Kramer (bateria) interagiram entre si e com a plateia. Talvez um desejo intrínseco de dizer “nós estamos bem”. E foi o que pareceu durante as 2 horas de concerto.

Legado

O disco mais recente de estúdio do Aerosmith é de 2004, “Honkin` on Bobo”, um apanhado de clássicos do blues. Dele entraram no repertório do show de sábado (29), no Parque Antártica, em São Paulo, apenas "Baby, Please Don`t Go", um cover de Big Joe Williams e "Stop Messin` Around", do Fleetwood Mac. Mas tem aquelas que todos sempre vão cantar junto e a cada introdução levam o público ao delírio como acontecem em “Love in the Elevator”, “Crazy”, “Jaded” e “Walk This Way”. Mas um dos melhores momentos do show - que remete a um dos melhores e mais emocionantes momentos do show de 2007 - só é possível por causa da participação da plateia. Em “What it takes” Steven Tyler cantou a primeira frase e deixa o restante por conta do público, que não decepcionou.

Joey Perry e Steven Tyler trocam elogios

“O maior cantor do mundo, Mr. Steven Tyler." Foi assim que Joey Perry apresentou Steven Tyler antes de deixar o palco. Tyler chamava o guitarrista de “Joey Fucking Perry” e pareciam se apoiar um no outro durante vários momentos e, um pouco mais do que na apresentação de abril de 2007 também em São Paulo, Perry teve mais momentos para brilhar solo. Cantou e até fez um duelo contra ele mesmo no Guitar Hero. “Toda semana alguém me para e diz que me venceu no jogo. Agora vocês vão me dizer quem é melhor, ele [seu avatar no game] ou o original."

Aerosmith
Cocked, locked, ready to rock tour
São Paulo
29 de maio de 2010

Setlist completo
"Eat The Rich"
"Back In The Saddle"
"Love In An Elevator"
"Falling in Love (Is Hard On the Knees)"
"Pink"
"Dream On"
"Livin` on the Edge"
"Jaded"
"Kings and Queens"
"Crazy"
"Cryin`"
"Lord Of The Thighs"
"Stop Messin` Around"
"What It Takes"
"Sweet Emotion"
"Baby, Please Don`t Go"
"Draw The Line"
Bis
"Walk This Way"
"Toys In The Attic
"

Nenhum comentário:

Postar um comentário