quinta-feira, 28 de março de 2019

Valores



Valores morais são os conceitos, juízos e pensamentos que são considerados “certos” ou “errados” por determinada pessoa ou sociedade. Normalmente, os valores morais começam a ser transmitidos para as pessoas nos seus primeiros anos de vida, através do convívio familiar.

Valores morais nas sociedades

Os valores morais podem ser variáveis, ou seja, podem divergir entre sociedades ou grupos sociais diferentes. Por exemplo, para um grupo de indivíduos uma ação pode ser considerada correta, enquanto que para outros esta mesma atitude é repudiada e tida como errada ou imoral.
Assim, os valores morais são baseados em diversos fatores, como cultura, tradição, cotidiano, religião e educação de determinado povo.
O cultivo dos valores morais em uma sociedade é uma das formas de garantir a convivência pacífica entre as pessoas, pois, de certa forma, determinam como devem ser os comportamentos, funcionando como uma espécie de orientação sobre a forma de agir.
Da mesma forma, a existência de valores morais é importante para garantir a existência de ordem em uma sociedade.

Valores morais universais

No entanto, existem alguns valores que são apresentados como “universais”, pois estão presentes em quase todas as sociedades do mundo. Por exemplo: liberdade, igualdade, respeito, educação e justiça.
A consciência de que o respeito ao próximo deve ser um imperativo no convívio social pode ajudar a evitar uma das consequências mais desagradáveis e negativas que o conflito de diferentes valores morais pode provocar: a discriminação e o preconceito entre as pessoas. 

Valores na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Alguns destes valores morais são tão primordiais que estão previstos na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Entre os valores que são destacados na Declaração estão a liberdade de escolhas individuais, a liberdade política e o cultivo da solidariedade. 
A igualdade entre as pessoas também é um valor determinado na Declaração e significa que todos são iguais, independente de diferenças culturais, raciais, religiosas, sociais ou econômicas.

Valores morais e éticos

Partindo do conceito da ética, os valores éticos são princípios que não se limitam apenas às normas, costumes e tradições culturais de uma sociedade (valores morais), mas também procuram se focar nas características compreendidas como essenciais para o melhor modo de viver ou agir em sociedade de modo geral.

Valores morais e religiosos

A religião é uma das principais entidades presentes dentro da sociedade que ajudam a moldar os valores morais, assim como a família. Assim, doutrinas religiosas também podem ser fontes de orientação de valores morais.
A fé, a bondade, o amor, o matrimônio e a união familiar são alguns exemplos dos valores morais defendidos pela Igreja. No caso da religião católica todos os valores religiosos estão baseados nos ensinamentos descritos na bíblia, sendo direcionados para o que a doutrina religiosa entende como sendo "certo", "errado", "bem" ou "mal".

terça-feira, 26 de março de 2019

As origens ideológicas do nazismo Parte II


As origens ideológicas do nazismo

Cinco especialistas alemães explicam as bases ideológicas da ditadura nazista, que era centrada no racismo, no antissemitismo e no nacionalismo e contrária ao comunismo e aos sindicatos. "[O nazismo] era profundamente enraizado em tendências extremistas de direita que já existiam ao fim da Primeira Guerra Mundial", explica.
Nazistas ocupam um sindicato em Berlim, em 2 de maio de 1933
Nazistas ocupam um sindicato em Berlim, em 2 de maio de 1933
Foto: DW / Deutsche Welle
O Nacional-Socialismo e o conceito de volksgemeinschaft (comunidade nacional) eram antiliberais, racistas e nacionalistas", diz o historiador André Postert, do Instituto Hannah Arendt, de Dresden.
O debate sobre a orientação ideológica do nazismo se espalhou pelas redes sociais nos últimos anos, no contexto da polarização política no Brasil, e chamou atenção internacional depois que internautas contestaram um vídeo da Embaixada da Alemanha que alertava para os perigos de ideologias de extrema direita.
O movimento nazista era contra o capitalismo praticado nos EUA, mas críticas a esse modelo econômico eram comuns na época devido à crise financeira de 1929. O nazismo também se opunha fortemente ao marxismo e ao bolchevismo por associá-los - assim como o capitalismo liberal - à "luta dos judeus pelo poder mundial".

A Realidade:
Ocorre que ser socialista era, como veremos nas linhas que se seguem, interessante em um dado momento pois agradava as massas populares alemãs!
Portanto, apesar de carregar o termo socialista em seu nome, o NSDAP estava bem distante do socialismo. "O rótulo 'socialista' e o tom amigável ao trabalhador ajudaram Hitler a ganhar amplo apoio entre essa parcela da população", conta o pesquisador Paul-M. Rabe, do Centro de Documentação de Munique para a História do Nacional-Socialismo.
Ala à esquerda foi expurgada
O Deutsche Arbeiterpartei (Partido dos Trabalhadores Alemães), que antecedeu o NSDAP, foi criado em 1919 inspirado pela Sociedade Thule para solucionar um "problema": a classe trabalhadora pendia para a esquerda. "O começo do Nacional-Socialismo está numa sociedade secreta, claramente de direita e que tinha entre seus membros integrantes da aristocracia alemã", diz Zarusky.
Adolf Hitler entrou no partido e logo se tornou sua figura principal, transformando-o no NSDAP. Sob o seu comando, o partido se opôs à teoria marxista da luta de classes e defendeu a formação de uma comunidade nacional alemã que integrasse os trabalhadores. "Na visão fascista, marxistas e comunistas dividiam a comunidade nacional, cuja construção era o objetivo político nazista", afirma o historiador Michael Wildt, professor da Universidade Humboldt, de Berlim.
O partido nazista até possuía correntes à esquerda, mas todas elas concordavam com a abolição do sistema liberal da República de Weimar, com o antissemitismo e com o nacionalismo. Nesse núcleo estavam Gregor e Otto Strasser e, inicialmente, Joseph Goebbels, o poderoso ministro da Propaganda da Alemanha nazista.
Nos 1920, o programa do NSDAP incluía elementos mais radicais ao capitalismo para atrair os trabalhadores. Contudo, antes mesmo de chegarem ao poder, em 1933, os nazistas eliminaram essa ala à esquerda. O então chanceler Kurt von Schleicher buscou rachar o movimento nazista em 1932, tentando formar uma ponte entre o setor de Gregor Strasser, visto como um competidor de Hitler, e os sindicatos, os social-democratas e partes dos militares.
A estratégia falhou. "Gregor Strasser, Ernst Röhm e muitos outros, que se apresentaram como revolucionários sociais, foram mortos na Noite das Facas Longas, em junho de 1934. Hitler sabia que precisava das elites conservadoras, das classes médias altas e dos industriais para seus planos expansionistas", diz Postert.
Após chegar ao poder, Hitler passou leis emergenciais para restringir a liberdade pessoal, o que lhe permitiu perseguir e prender líderes comunistas e banir deputados comunistas, sindicatos e todos os demais partidos políticos.
Sociedade ariana
O conceito de socialismo de Hitler era completamente oposto ao da União Soviética, tendo a raça como base. Em 1932, o líder nazista disse: "O comunismo não é socialismo. O marxismo não é socialismo. Os marxistas roubaram o termo e confundiram seu significado. O socialismo é uma antiga instituição ariana e germânica […] Para nós, Estado e raça são um."
Atenção
A volksgemeinschaft seria, assim, algo exclusivo da etnia germânica. Esse racismo estava presente também na tentativa de implementar um Estado de bem-estar social, usado como ferramenta para garantir apoio entre os trabalhadores. O sistema excluía imigrantes, judeus, opositores e aqueles considerados "sem valor", como deficientes e homossexuais.
Antes mesmo de 1933 foram criadas organizações de massa, como a Frente dos Trabalhadores Alemães e a Força pela Alegria, para garantir a lealdade dos trabalhadores. Entrar para o partido nazista também abria oportunidades. "Ainda que o regime não tenha tocado na propriedade privada e a situação da classe trabalhadora não tenha mudado fundamentalmente, os nazistas integraram grande parte dos trabalhadores em sua utopia social, enquanto destruíam as estruturas e organizações da esquerda política", diz Postert.
Uma das tentativas de consolidação da comunidade nacional foi a construção de pequenas casas e apartamentos nos anos 1930. "Quem quisesse essa habitação tinha que provar nunca ter sido membro de organizações de esquerda ou não ser de origem judia", explica Zarusky.
Mas, na realidade, completa o historiador, esse tipo de projeto não era a prioridade dos nazistas. O mais importante era a guerra, e o conflito logo resultaria na destruição dessas casas.
Racismo era central
A ideologia racista, o antissemitismo e o imperialismo (a única forma de aumentar as exportações alemãs, segundo Hitler, era a conquista de território) superavam o sentimento anticapitalista.
A ditadura nazista impôs algumas medidas para centralizar a economia e focá-la na preparação para a Segunda Guerra mundial, mas não confiscou propriedade privada de alemães, não proibiu o acúmulo de riqueza nem aboliu o capitalismo.
"Essas 'credenciais' socialistas do regime nazista baseavam-se na rejeição do capitalismo financeiro e não no socialismo", afirma o historiador Arnd Bauerkämper, da Universidade Livre de Berlim.
O regime pretendia construir um modelo que funcionasse para a Alemanha e, naquele momento, a prioridade era aumentar a capacidade bélica do país. Assim, a ditadura nazista aliou-se aos industrialistas para produzir armamentos e consolidar seu poderio militar.
O sistema econômico foi, contudo, "arianizado", com o confisco de propriedades de judeus. "Numa abordagem racista, não importa se alguém é capitalista. É muito mais relevante que esse capitalista seja alemão e não judeu", diz Wildt.
Dessa forma, os nazistas poderiam ser contra os "capitalistas judeus malvados", ao mesmo tempo em que incluíam os "bons empresários e mercadores alemães" na volksgemeinschaft. "A maioria das grandes companhias e empresários não demonstrou dúvidas razoáveis sobre o regime. A resistência ao nazismo veio dos antigos partidos da classe trabalhadora, dos comunistas, dos socialdemocratas e da esquerda", conclui Zarusky.
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas



segunda-feira, 25 de março de 2019

O Dia "D" Dia do Pastel na E.E. Cônego Manuel Alves

As gêmeas Lorena e Lívia, com carinhas de fome, mas sem perder a simpatia, em primeiro plano a timidez da Luana.
Parte da equipe reunida na organização dos pastéis fresquíssimos: Maria Emília, Jô, Cássia e Aline. 



Granusso quase que matando a fome com um delicioso pastel


As professoras cuidando da limpeza o tempo todo, garantindo a qualidade do produto final: o pastel!

Os copinhos de molho vinagrete para acompanhar o pastel

Mais da equipe:  professoras Dulce e Roseane trabalhando na lojistica de distribuição do quitute.



Alunos e alunas organizados retirando seus pastéis

Onde está a diretora?


Ah! Aí esta´a Diretora! Profª. Magali, trabalhando na organização da fila.






quarta-feira, 20 de março de 2019

Hitler e o nascimento nacional socialista do partido nazista alemão - Parte I



Adolf Hitler

nascido na Áustria, em 1889, era um militar voluntário que foi soldado combatente da Tríplice Aliança. Após o término da guerra, Hitler se interessou pelo partido Nacional Socialista e filiou-se em 1921.
Esse grupo fundou o Partido Nazista, onde Hitler com sua liderança e popularidade,
 tornou-se líder do partido.
Em 1923, os nazistas tentaram invadir o Ministério da Guerra da Baviera.
 O confronto fez com que Hitler fosse capturado e preso.
Na prisão, em 1924, ele escreveu um livro chamado Mein Kampf (Minha Luta). Nele, todo o programa nazista estava descrito, desde suas ideias sobre os judeus, raças humanas até o conceito político do Nacional-Socialismo.
Para Hitler, a raça ariana era a superior de todas e para manter a pureza de tal raça, todos os judeus, negros, poloneses, homossexuais, comunistas, ciganos, deficientes físicos e mentais deveriam ser eliminados. Além de nenhuma outra religião ser aceita, a não ser o catolicismo.
No livro, ele sugere a criação de um novo Estado, onde ele seria o líder.
Mein Kampf foi o livro mais vendido da Alemanha, ganhando apoio de quase toda população do país.
No ano seguinte, Hitler foi solto e iniciou seu plano de chegar ao poder com comícios e palestras, propagando suas ideias para todos os alemães.
Em 1930, o partido Nazista tinha mais de 1 milhão de seguidores. Suas ideias convenceram a maioria da população, que acharam que sua figura de líder seria certeza de uma Alemanha próspera e bem sucedida.
Originalmente, o partido nazista denominou-se de Partido dos Trabalhadores Alemães (Deutsches Arbeit Partei, ou DAP), cujo embrião surgira em 7 de novembro de 1918 por iniciativa de Anton Dextler, o serralheiro que convidou Hitler para associar-se à organização. 
Suas características básicas não deixam duvidas sobre seu compromisso com o chauvinismo, o antissemitismo e o antibolchevismo. 
Nele, logo se identificaram dois núcleos básicos:

O primeiro 

desses núcleos era de ordem ideológica, decorrente da adesão dos membros da sociedade Thule (Thule Gesellschaft), uma ordem ocultista exaltadora das virtudes raciais, também chamada de German Order, liderada pelo sumo-sacerdote Dieter Eckhart, um satanista que exerceu forte influência sobre Hitler nos seus anos de ativismo em Munique. 
Foi ele quem o introduziu nos meios sociais mais elevados da Bavária, assim como também financiou o jornal do partido, o Völkischer Beobachter. 
Ela tinha como símbolo a cruz suástica encimando uma mão numa espada e um dos seus intentos era substituir a Cruz de Cristo pela Cruz Gamada dos supremacistas arianos.
A mitológica Thule era uma espécie de Jardim do Éden dos povos nórdicos, habitada pelos hiperbóreos, super-homens física e mentalmente perfeitos de quem, acreditavam os adeptos, os alemães herdaram suas virtudes maiores.

O segundo

Outro núcleo duro do partido foi composto pelos veteranos de guerra, pelos frontkämpfer, os homens do front, que haviam servido com Hitler nas trincheiras, todos eles inconformados com o cenário do após-guerra e com as humilhações impostas à Alemanha pelo Tratado de Versalhes, tendo na vingança futura sua razão de viver.
Estavam sempre próximos ao líder desde o tempo em que ele era apenas um agitador paroquial, acompanhando-o nas manifestações de rua, nos comícios e nas atividades de proselitismo e de propaganda, como estavam ao lado dele no episódio do fracassado putsch da cervejaria, ocorrido em 1923, em Munique.
Apoiaram-no igualmente quando ele decidiu acrescentar ao partido a denominação ‘nacional-socialista’, alterando o nome da agremiação para NSDAP (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei) assim como na introdução da cruz suástica num círculo branco dentro de uma bandeira vermelha para marcar seu compromisso com a revolução social pretendida.

Fonte: https://www.terra.com.br/noticias/educacao/historia/entenda-como-foi-a-fundacao-do-partido-nacional-socialista,e736bc3f0725701fe3f3b49298c2e6d4ovj9y9ry.html.



terça-feira, 19 de março de 2019

O Equinócio


Com esta definição,
 o dia e a noite durante os equinócios têm igualmente 12 horas de duração. 
Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro, 
quando definem mudanças de estação.
 Em março, o equinócio marca o início da primavera no hemisfério norte 
e do outono no hemisfério Sul.


Adicionar legenda
Na astronomia, 
equinócio é definido como o instante em que o sol, em sua órbita aparente (como vista da Terra), cruza o equador celeste (a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste).
No referencial da Terra, 
o Sol move-se ao longo do ano sobre a Eclíptica, que se estende sobre as treze constelações que formam o Zodíaco (As doze constelações associadas à astrologia mais a constelação de Ofiúco). Entre o plano eclíptico e o plano equatorial celeste há um ângulo esférico de 23,5 graus, aproximadamente, e estes planos interceptam-se definindo uma reta. Esta reta intercepta a esfera celeste em dois pontos. Em definição equivalente, o equinócio corresponde ao momento em que o Sol, em sua trajetória ao longo do Zodíaco, encontra-se sobre um dos pontos definidos pela interseção entre o plano eclíptico, o plano equatorial terrestre e a esfera celeste.
O equinócio ocorre duas vezes no ano, em março e em setembro. No equinócio ambos os hemisférios da Terra encontram-se igualmente iluminados pelo Sol.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Atividade de consciência de combate à dengue EE Antonio de Queiróz - Prof. Claudio Correa - ( Geografia)e alunos do 8º ano 01


Alunos do 8º ano 1 anotam diretrizes para a atividade extra sala

Criançada pronta pra por a mão na massa!

Duvida: pequenos buraquinhos no chão podem ser criadouros? resposta : em prédios e edifícios abandonados, podem. Mas no ambiente escolar por exemplo, as limpezas são feitas diariamente e neste caso, não há perigos. 


Atitude positiva! alunos percebem que os pneus quando tratados de modo consciente agem favoravelmente na questão da dengue.


No ambiente público uma "inofensiva" tampinha de plastico, ja oferece risco de ser um criadouro do mosquito!





os alunos vestiram a camisa da causa e vasculharam ao redor das dependências da escola numa operação "pente fino"!





A casca desse tipo de arvore representa, por sua forma de canoa, perigo sim e necessita de atenção nas casas que tem esse tipo de palmeiras. 




A equipe 

O professor e a equipe de rastreadores, por assim dizer, do 8º ano 1. Parabéns a garotada! Que eles sejam multiplicadores dessa atitude simples e eficiente disseminada no ambiente escolar!

Aluno: confira o calendário de datas do Enem 2019

Alunos do Ensino Médio que pretendem prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 já podem conferir as datas divulgadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) . Os exames serão aplicados nos dias 3 e 10 de novembro de 2019. O edital será publicado em março.

Os alunos poderão solicitar a isenção de taxa ou justificar a ausência nas provas do ano passados, entre os dias 1º e 10 de abril. As inscrições ocorrerão de 6 a 17 de maio.
Como usar as notas do Enem
Com as notas, o estudante pode se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que condensa as vagas de universidades públicas de todo o país. Se o aluno optar por universidade privadas, o Enem é necessário para acessar as modalidades de financiamento oferecidas pelo governo federal. O estudante interessado em concorrer a uma vaga das bolsas do Programa Universidade Para Todos (ProUni) deverá ter registrado a nota mínima de 450 pontos no Enem e não tenha zerado a redação. O ProUni oferece bolsas que variam de 50% a 100%.
O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é outra opção de apoio financeiro. Há uma modalidade com juros zero para jovens com renda familiar per capita de até três salários mínimos e outra com juros que variam de acordo com a instituição bancária.
A nota do Enem também pode ser utilizada pelos jovens para estudar no exterior. Em Portugal, são mais de 30 instituições de ensino superior, que utilizam a exame como forma de selecionar os alunos brasileiros.
Serviço
Solicitação de Isenção e justificativa de Ausência:1 a 10 de abril
Inscrições: 6 a 17 de maio
Aplicação das provas: 3 e 10 de novembro

Atividade Procedimental I: Trabalho em grupo 9º Ano 2 Pesquisa, Produção e Recuperação Continua de Geografia

 Alunos  desenvolvem atividade de  Recuperação Contínua - Revisão dos temas abordados nos bimestres anteriores -  em grupos de traba...