quarta-feira, 13 de abril de 2011

SOU UM PROFESSOR QUE PENSA...repassando

SOU UM PROFESSOR QUE PENSA...

Pensa em sair correndo toda vez que é convocado para uma reunião, que

certamente o responsabilizará mais uma vez, pelo insucesso do aluno.

SOU UM PROFESSOR QUE LUTA...

Luta dentro da sala de aula, com os alunos, para que eles não matem uns aos outros.

Que luta contra seus próprios princípios de educação, ética e moral.

SOU UM PROFESSOR QUE COMPREENDE....

Compreende que não vale a pena lutar contra as regras do sistema, ele é sempre o lado mais forte.

SOU UM PROFESSOR QUE CRITICA...

Critica a si mesmo por estar fazendo o papel de vários outros profissionais como: psicólogo, médico, assistente social, mas não consegue fazer o próprio papel que é o de ensinar.

SOU UM PROFESSOR QUE TEM ESPERANÇA,



E espera que a qualquer momento chegue um "estranho" que nunca entrou em uma sala de aula, impondo o modo de ensinar e avaliar.

SOU UM PROFESSOR QUE SONHA...

SONHA COM UM ALUNO INTERESSADO,

SONHA COM PAIS RESPONSÁVEIS,

SONHA COM UM SALÁRIO MELHOR, UM MUNDO MELHOR.



ENFIM, SOU UM PROFESSOR QUE REPRESENTA...

Representa a classe mais desprestigiada e discriminada, e que é incentivada a trabalhar só pelo amor à profissão.

Representa um palhaço para os alunos.

Representa o fantoche nas mãos do sistema concordando com as falsas

metodologias de ensino.

E esse professor, que não sou eu mesmo, mas é uma outra pessoa, representa tão bem, que só não trabalha como ator, porque já é PROFESSOR e não dá para conciliar as duas coisas.
 
 
COLABORAÇÃO DA PROFª. JULIANA - GEÓGRAFA

Fruto do Suor - Raices de América - para o 2º ano EM EE PAULO CHAVES

Fruto do Suor - Raices de América - Composição : Tony Osanah / Enrique Bergen

A terra nova era um paraíso,

o milho alto e os rios puros.

Dormia o ouro a cobiça ausente,

era o índio senhor do continente.

Foram chegando os conquistadores,

os africanos e os aventureiros.

O índio altivo se mesclou ao escravo:

nascia um novo tipo americano.

O interesse fabricou carimbos.

O ódio à toa levantou paredes.

A baioneta desenhou fronteiras.

A estupidez nos separou em bandeiras.



Tenho um filho nessa terra,

foi um amor sem passaportes.

Se o gestar foi brasileiro

não me chames de estrangeiro.

Cada pedra, cada rua tem um toque de imigrantes.

Levantaram com seus sonhos

um país que não tem donos.



O suor fecunda o solo e a semente não pergunta:

Brasileiro ou imigrante? Só o fruto é importante.

Não me sinta forasteiro.

Não me invente geografias.

Sou tua raça, sou teu povo,

sou teu irmão no dia-a-dia.

O Estrangeiro - musica e letra de Caetano Veloso - TAREFA PARA OS ALUNOS DO 2º ANO DO EM DA EE PAULO CHAVES


O Estrangeiro



O pintor Paul Gauguin amou a luz na Baía de Guanabara

O compositor Cole Porter adorou as luzes na noite dela

A Baía de Guanabara

O antropólogo Claude Levy-strauss detestou a Baía de Guanabara:

Pareceu-lhe uma boca banguela.

E eu menos a conhecera mais a amara?

Sou cego de tanto vê-la, te tanto tê-la estrela

O que é uma coisa bela?

O amor é cego

Ray Charles é cego

Stevie Wonder é cego

E o albino Hermeto não enxerga mesmo muito bem

Uma baleia, uma telenovela, um alaúde, um trem?

Uma arara?

Mas era ao mesmo tempo bela e banguela a Guanabara

Em que se passara passa passará o raro pesadelo

Que aqui começo a construir sempre buscando o belo e o amaro

Eu não sonhei que a praia de Botafogo era uma esteira rolante deareia branca de óleo

 diesel

Sob meus tênis

E o Pão de Açucar menos óbvio possível

À minha frente

Um Pão de Açucar com umas arestas insuspeitadas

À áspera luz laranja contra a quase não luz quase não púrpura

Do branco das areias e das espumas

Que era tudo quanto havia então de aurora

Estão às minhas costas um velho com cabelos nas narinas

E uma menina ainda adolescente e muito linda

Não olho pra trás mas sei de tudo

Cego às avessas, como nos sonhos, vejo o que desejo

Mas eu não desejo ver o terno negro do velho

Nem os dentes quase não púrpura da menina

(pense Seurat e pense impressionista

Essa coisa de luz nos brancos dentes e onda

Mas não pense surrealista que é outra onda)

E ouço as vozes

Os dois me dizem

Num duplo som

Como que sampleados num sinclavier:

"É chegada a hora da reeducação de alguém

Do Pai do Filho do espirito Santo amém

O certo é louco tomar eletrochoque

O certo é saber que o certo é certo

O macho adulto branco sempre no comando

E o resto ao resto, o sexo é o corte, o sexo

Reconhecer o valor necessário do ato hipócrita

Riscar os índios, nada esperar dos pretos"

E eu, menos estrangeiro no lugar que no momento

Sigo mais sozinho caminhando contra o vento

E entendo o centro do que estão dizendo

Aquele cara e aquela:

É um desmascaro

Singelo grito:

"O rei está nu"

Mas eu desperto porque tudo cala frente ao fato de que o rei é mais bonito nú

E eu vou e amo o azul, o púrpura e o amarelo

E entre o meu ir e o do sol, um aro, um elo.

("Some may like a soft brazilian singer

but i've given up all attempts at perfection").


O tema da diversidade, que abordamos no primeiro bimestre, tem seu desfecho neste momento com esta letra do compositor baiano Caetano Veloso, na qual ele faz referência a diversos estrangeiros que aqui pelo Brasil tem passado e que deixam suas impressões a respeito de nosso país, alguns falam bem, outros falam mal, mas todos seguem seu caminho de passagem! Na seqüência uma outra letra é da música do grupo Raizes de América chamada "Fruto do Suór", que trata da questâo da miscigenação inter americana!
A proposta de trabalho com estas letras é a seguinte:
1º - identifique na letra as palavras que vc desconhece e faça uma lista com elas;
 2º procure o significado dessas palavras no melhor dicionário que vc puder encontrar ( se for da net, use o Aurélio);
3º - comente sobre o significado de cada palavra e sobre o que vc achava que significasse antes de consultar o dicionário;
Estas são as exigencias da Tarefa! Bom Trabalho!














Atividade Procedimental I: Trabalho em grupo 9º Ano 2 Pesquisa, Produção e Recuperação Continua de Geografia

 Alunos  desenvolvem atividade de  Recuperação Contínua - Revisão dos temas abordados nos bimestres anteriores -  em grupos de traba...