terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Mandrágora - O veneno dos amantes

Planta venenosa da família das solanáceas, a mesma da beladona e do meimendro, a mandrágora (Mandragora officinarum) contém alcalóides como a atropina e a escopolamina.
É nativa do Mediterrâneo.
Erva de caule muito curto, emite uma roseta de folhas, de cujo centro se alteiam as hastes das flores, de cor entre o violeta e o azul.
A raiz principal freqüentemente se bifurca e, sendo grossa e carnuda, assemelha-se a duas coxas. Para aumentar essa semelhança, os feiticeiros a esculpiam e acrescentavam detalhes, como se vê em gravuras medievais que ilustram seu suposto poder afrodisíaco.
Ora, uma vez aceito que uma planta pudesse tem um corpo humano "perfeito", o próximo passo era supor que pudesse receber um espírito, ou a força vital de um homo sapiens vivente... Segundo H.P. Blavastky, "no Catecismo dos drusos da Síria" os homens foram criados pelos "Filhos de Deus", que desceram à Terra e, depois de colherem sete mandrágoras, animaram as raízes até que se convertessem em homens (Doutrina Secreta, II, 30, ed. Inglesa).
Dados dispersos no Glossário Teosófico informam que a planta se revela "especialmente eficaz na magia negra" (Doutrina Secreta, 11, 30) e, apesar do preparo de "bebidas ou filtros" ser o uso mais cotado entre os "vários fins ilícitos", alguns ocultistas "da mão esquerda" chegariam a fazer homúnculos com ela.

 
O nome hebraico para as mandrágoras (dudhaim) é formado pela mesma raiz de "amor".
Este é outro motivo para que, em algumas partes do Oriente Médio, esta planta ainda seja considerada como afrodisíaco capaz de excitar o amor e aumentar a fertilidade humana.
O Glossário Teosófico fornece uma interpretação metafísica politicamente correta onde, "em linguagem cabalística", dudhaim corresponde à união do "manas superior e inferior" ou da Alma e do Espírito, duas coisas "unidas em amor e amizade (dodim)".
Mas a intenção que personagens bíblicas tiveram ao consumir a planta foi bem diferente.
Em Gênese 30:14-15, Raquel, esposa de Jacó, negocia a oportunidade de usufruir os direitos conjugais de seu marido por uma noite com sua irmã Lia, em troca de alguns frutos de mandrágoras.
Desta relação conturbada nasceu Issacar. Também, numa cena de romântico erotismo do Cântico dos Cânticos, a amada afirma a reciprocidade de seu amor levando seu amante para pernoitar no campo onde "as mandrágoras exalam seu perfume" (Cântico 7:14).
A tradição colocou este fruto em relação com o nascimento de José.
 
Vem, meu amado, vamos ao campo,

pernoitemos sob os cedros; madruguemos pelas vinhas,

vejamos se a vinha floresce, se os botões estão se abrindo,

se as romeiras vão florindo: lá te darei meu amor...

As mandrágoras exalam seu perfume;

À nossa porta há de todos os frutos:

Frutos novos, frutos secos,

que eu tinha guardado,meu amado, para ti.

Cântico dos Cânticos, 7:12-14.
 

Mandrágora acorrentada a um dos cães utilizados para extrair as raízes do solo, Século XII Os antigos, como os medievais, conheciam o poder da raiz desta planta.
A tradição greco-romana daria outros usos à planta.
Nos tempos de Cristo, a comprida raiz castanha da mandrágora era usada como anestésico nas operações.
Platão cita o preparo da mandrágora como fármaco entorpecente ao descrever um motim.
"Algumas vezes", quando marinheiros disputam pela influência, tendo em vista o favor do dono do navio, "se não são eles que o convencem, mas sim outros, matam-nos, a esses, ou atiram-nos pela borda fora; reduzem a impotência o verdadeiro dono com a mandrágora, a embriaguez ou qualquer outro meio" (A República, 488c).
Com o tempo, as receitas foram se tornando cada vez mais insólitas.
Dizia-se, por exemplo, que a colheita da mandrágora exigia providências profiláticas, pois a planta não devia ser tocada.
A raiz era arrancada em noite de luar, com uma corda atada a um cachorro preto, após um ritual e orações.
Segundo a crença, se colhida sem essas precauções, a mandrágora soltava um grito terrível, capaz de matar ou enlouquecer quem o ouvisse.
Se obtida à maneira ritual, contudo, a raiz possuía poderes mágicos e servia para tomar fecundas as mulheres estéreis.
A Mandrágora já foi considerada como uma cura para a loucura e uma droga exorcisante por se pensar que os demônios não toleravam o seu cheiro.
Outrora, as verrugas eram esfregadas com uma batata, que a seguir tinha de ser deitada fora.
Então, à medida que o tubérculo apodrecia, acontecia o mesmo com a verruga!
O Glossário Teosófico diz-nos que os antigos germanos veneravam ídolos fabricados com a raiz de mandrágora.
"Daí seu nome de alrunes, derivado da palavra alemã Alraune (mandrágora).
Aqueles que possuíam em sua casa uma dessas figurinhas, acreditavam-se felizes, pois elas velavam pela casa e por seus moradores, preservando-os de todo mal, e prediziam o futuro, emitindo certos sons ou vozes.
O possuidor de uma mandrágora, além disso, obtinha bens e riquezas, através de sua influência".
Na literatura clássica, Shakespeare fala de seus arrepiantes chiados enquanto Maquiavel aponta para os engodos de charlatões que propagam suas virtudes maravilhosas na peça A Mandrágora.
Observação mais que providencial, visto que quando a humilde batata chegou a Inglaterra era tida como afrodisíaca e vendida a mais de 500 libras o quilo.
Atualmente, ela ainda é usada em doses seguras na fabricação de remédios homeopáticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário