quarta-feira, 23 de maio de 2012

Insegurança alimentar afeta Angola



por Louise Redvers, da IPS


Johannesburgo, África do Sul, 17/5/2012 –
Milhões de famílias pobres de Angola não têm certeza de levar algo à boca três vezes ao dia, devido a uma prolongada seca que destruiu colheitas e matou gado em vastas áreas do país.
Estima-se que cerca de 500 mil crianças sofrem desnutrição severa por culpa do colapso da produção alimentar em razão da seca registrada no primeiro trimestre do ano.
Nas comunidades mais afetadas estão sendo instalados centros de alimentação de emergência.

As centrais provinciais de Huambo, Bie e Benguela, e de Zaire, ao norte, são as mais prejudicadas, mas em todo o território nacional sofrem tanto os pequenos como os grandes agricultores.
Os rendimentos agrícolas cairam até 70% em vários lugares.
Algumas reportagens informam que há agricultores de subsistência que abandonam suas terras em busca de emprego em povoados e cidades para alimentar suas famílias.
Além disso, os grandes estabelecimentos rurais comerciais demitem funcionários porque já não há o que colher.
Apesar da enorme riqueza petrolífera de Angola e do prognóstico do Fundo Monetário Internacional (FMI), que prevê expansão de 9,7% do produto interno bruto este ano, quase dois terços das famílias rurais vivem com menos de US$ 1,75 por dia.
Mais de quatro décadas de guerra (1961-2002) deixaram o país com um dos índices de mortalidade infantil mais altos do mundo: 20% das crianças morrem antes de completar cinco anos.
A dieta de má qualidade é um fator crucial dessa mortalidade, e, segundo a última Pesquisa Nacional de Nutrição, realizada em 2007, quase 30% dos menores de cinco anos sofrem alguma atrofia, mais de 8% de emagrecimento extremo, e cerca de 16% têm baixo peso.
Koen Vanormelingen, representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em Angola, explicou que a má colheita deste ano já fez vítimas entre as crianças mais vulneráveis.
“Esta população já vivia no limite e fazia um grande esforço para sobreviver, mas, enquanto antes tinha uma dieta variada de três refeições por dia, agora tem apenas uma, talvez duas, e restrita a uma seleção muito pobre de mandioca e bananas”, detalhou Vanormelingen.
“É uma situação muito séria e estamos muito preocupados porque vemos um aumento significativo da desnutrição e da mortalidade em razão da desnutrição”, acrescentou.

O governo destinou US$ 43 milhões a uma campanha de emergência, que incluirá distribuição de alimentos, água, sementes e outros insumos agrícolas para ajudar os agricultores.
Além disso, foram importadas 40 toneladas de um alimento reforçado à base de amendoim, com apoio da Fundação Clinton.
O carregamento está pronto para ser enviado aos centros de alimentação de emergência que estão sendo instalados em todo o país.

“Isto não é fome, mas insegurança alimentar”, esclareceu Vanormelingen.
“Há comida disponível.
O problema é que, como não se produz tantos alimentos, é preciso comprar mais”, afirmou.
“Como sua produção diminuiu, sua renda também caiu, e então não têm dinheiro para comprar alimento.
Como a oferta cai e a demanda aumenta, os preços estão subindo, em alguns casos em até 100%”, apontou.

Este colapso da agricultura é um importante revés para Angola, que tenta desesperadamente insuflar brios a esse outrora pujante setor, destruído por décadas de guerra.
Para estimular a produção, no ano passado o governo lançou um programa de microcréditos no valor de US$ 150 milhões, destinado aos pequenos agricultores para que pudessem comprar sementes e fertilizantes.
Porém, agora que os rendimentos são tão baixos, muitas famílias lutam para pagar as dívidas.



A União Nacional de Associação de Camponeses Angolanos, que reúne as cooperativas agrícolas, informou que o governo ajudará quanto aos pagamentos com os bancos comerciais que concederam os empréstimos. No entanto, Belarmino Jelembi, diretor da Ação para o Desenvolvimento Rural e o Meio Ambiente, alertou que “o governo tem de ser extremamente cuidadoso nesse manejo, porque, se não o fizer bem, todo o programa poderá fracassar. Temos que fazer mais para apoiar os pequenos agricultores com ferramentas básicas de irrigação, assim não dependerão tanto das chuvas”, opinou.

Abrantes Carlos, diretor provincial do Ministério da Agricultura em Benguela, onde cerca de cem mil famílias estão em insegurança alimentar, concorda que são necessários mais sistemas de irrigação sustentável.
“Na província temos grandes rios, mas não estamos administrando nossos fornecimentos e não temos dados precisos sobre quanta água há disponível”, declarou à IPS.
Segundo o diretor provincial, a falta de água na província, onde muitos rios secaram, foi a pior da área em 30 anos, e pela primeira vez desde o fim da guerra, em 2002, se planejou a ajuda alimentar às famílias.
“Neste momento a população ainda tem alimentos, mas é provável que nos próximos três meses a situação piore”, alertou Carlos.
O governo ajuda a perfurar novos poços para encontrar água, e também distribui sementes para cultivos que podem crescer nos meses mais frios, como forma de melhorar a perspectiva da próxima colheita, acrescentou.
Jelembi saudou o compromisso das autoridades em matéria de ajuda, mas advertiu que “vemos muitos anúncios sobre o que o governo fará para ajudar a população afetada, e na prática não se vê grande coisa”.


Envolverde/IPS


15 comentários:

  1. 1º2 Larissa Nº20
    Na minha opinião a insegurança não pode afetar nossa alimentação porque a alimentação é a nossa sobrevivencia sem ela podemos ficar doentes e ate acabar morrendo...Há milhões de famílias pobres no mundo que pasa fome principalmente na Angola,eu acho que eles nem sabe o que um arroz de tanta fome que eles passa todos os dias,por causa de uma pequena seca que houve a destruição na colheita e matou gado em várias áreas da Angola.Eu acho que o governo da Angola deveria aumentar a verba deles pois ai eles terão dinheiro para comprar o alimento necessário para se alimentar.

    ResponderExcluir
  2. 1º2 Leonardo Camargo n °21
    Mais uma vez vemos as desigualdades existentes em nossa sociedade, enquanto há pessoas que comem abundantemente e ainda jogam os restos no lixo, há aqueles que não tem o que comer. O estado é realmente crítico, e ainda tende a piorar(conforme diz o texto).Como todos nós sabemos, o estado nesses países já não é dos melhores e agora com esses acontecimentos irá piorar e,consequentemente, causar mais mortes. Falando bem a verdade, muitos em nossa sociedade só se importam com sigo mesmos, não ligam para o próximo. Poucas atitudes poderiam mudar essa situação na Angola, pensem nisso...

    ResponderExcluir
  3. 1°2 Gabriel N°9

    A Angola passa por dificuldades, e acho que outros países deveriam, ajudar esse país, pois o problema é com alimentação, um ponto importante. Muitas pessoas estão sem alimento, e por mais que se esforcem continuam sem. Pode-se entender isso como uma forma de desigualdade, ja que há vários lugares ricos na Angola.

    ResponderExcluir
  4. 1°2 André N°35

    A Angola é um pais muito desprezado por ser pobre de cor diferente, as pessoas desprezam por isso e muitas das vezes o pais fica na miséria sem desenvolvimento sem nada.Devemos pensar melhor sobre nossas atitudes, ajudar quem precisa e nao humilhar e menosprezar.
    A Angola precisa de uma grande ajuda para conseguir se estabilizar começar achar algum modo de ganhar dinheiro para enriquecer o pais e nao passar mais por isso.

    ResponderExcluir
  5. 1°2 Marcela n°24

    As informações contidas no texto, nos alerta sobre um problema tanto social quanto cultural,na falta de alimentos,e na má colheita que as pessoas pobres que habitam na Angola andam enfrentando.
    Mas o texto fala, que não é um problema onde se entra a fome e sim uma 'insegurança alimentar' na minha opinião é um caso extremo de fome,pois que ser humano vive com menos de 1,75 reais no dia,pra sustenta uma família,isso é simplesmente nada!
    É complicado,pois se há uma desnutrição extrema em uma população,com certeza a falta,de educação,ensino,boa moradia etc...
    São cidadãos que não estão sendo incluídos em uma sociedade digna de um ser humano!


    ResponderExcluir
  6. 1º2 Audrey nº03

    Heis uma situação de emergência: Sem dinheiro, sem comida e com uma vastidão de dívidas, tudo devido à essa aterrível seca. O ruim é saber que há pessoas que desperdiçam comida; jogam-a fora sem mais ou por que simplesmente não gostam do alimento, enquanto os angolanos passam por essa crise e se alimentam de apenas algumas bananas e mandiocas.
    Se todas as pessoas passassem por isto um dia iriam dar mais valor a comida que consomem; não ficariam escolhendo o que comer, nem a jogariam fora.

    ResponderExcluir
  7. Lucas da Silva N°37 serie 1°3
    Um dos problemas que afetam a Angola é a falta de alimento para as famílias desta região e por este motivo varias crianças crescem muito pouco desenvolvida ou ate mesmo não chegam a ate mesmo a não se desenvolver e morrem logo cedo.
    Mas uma das outras causas desta falta de nutrientes para as crianças se desenvolverem e a pouca rende desse povo que com isso não tem dinheiro para comprar alimentos de qualidade para alimentar as suas famílias e ter uma vida mas uma das reso~es para isto acredito eu que seja o governo que não libera mais empregos e alimentos para as pessoas poderem viver melhor.

    ResponderExcluir
  8. 1°2 Jessica Laney n° 18

    A Angola é um pais muito sofrido, e um dos seus maiores problemas é a seca e a fome.
    A seca prejudicou muitas cidades na Angola, mas o problema mesmo é insegurança de se comer certos alimentos, o medo de se contaminar. Como a seca destruiu completamente quase tudo não tem comida então é preciso compra, mas sem as colheitas as familias estão sem rendas e o numero de doenças so aumenta junto com o numero de mortes de algumas criancas com menos de 5 anos de idade.

    ResponderExcluir
  9. 1°2 Evandro N°8

    Na Angola muitas pessoas passam fome e agora a situação está piorando. Por causa de uma seca que houve, a colheita ficou destruída e houve morte do gado em várias áreas da Angola. A Angola sofre uma grande desigualdade com isso acaba sofrendo mais do que o normal. O Governo da Angola deveria ser mais ético com o povo angolano, e ser mais digno do poder Angolano.

    ResponderExcluir
  10. 1°02 Rafael Ferreira n°27
    Pelo que eu entendi o texto fala sobre as milhões de famílias pobres da Angola, que passam fome pois as secas que ocorrem na Angola acabam destruindo suas colheitas, matando os seus gados e prejudicando os seus solos para a plantação de alimentos.
    Enquanto muitos enchem a barriga, essas pessoas estão lá morrendo sem ao menos ter esperanças de viver.As pessoas só se dão conta do que realmente esta acontecendo depois que tudo piora e fica praticamente sem concerto, esse é um assunto sério que deveria ser discutido não só por algumas pessoas, mas sim pelo mundo inteiro, pois quando você menos pensar isso pode acontecer com você também, daí você vai querer dar valor a sua vida sendo que nem se importava enquanto muitos morriam!

    ResponderExcluir
  11. 1°2 Joyce N°19

    O texto fala sobre pessoas que passam dificuldades,fome,pois a Angola é um pais de muito desprezo que pessoas vivem para trabalha porque ganham muito pouco e ainda sofrem com uma péssima colheita,problemas culturais.
    Na minha opinião as coisas mais importante para nossa saúde é uma alimentação saudável eles não tem nem como se alimentar então a saúde fica fraca,e onde vai para tudo isso.

    ResponderExcluir
  12. 1º2 Samuel Elias nº30

    na angola muitas famílias pobres passam fome por causa da desigualdade e da dificuldades e os problemas por causa da seca e falta de água.eu acho que o governo da angola deveria aumentar a verba pois eles só se importam com sigo mesmo e não ligam para os pobres pode se entender isso como desigualdade eles podem ajudar não ajudam por que não querem.a maioria dessas pessoas morrem antes de completar a idade media por causa do governo e a falta de ajuda,e compreensão.

    ResponderExcluir
  13. 1º2 Ygor nº34
    Na minha opinião,o Governo Angolano devia ter mais democracia e mais verbas.E se tem uma organização de ajudar países que é a ONU, devia se unir ajudar este país em crise;isso não é novidade para todos nós, já é um algo comum na toda África,miséria e injustiça.Se virou algo comum, quer dizer que ONU não está fazendo nada.
    Portanto, os países mais desenvolvidos só pensa em desenvolver cada vez mais, e esquece do próximo, que esta morrendo várias crianças que sonham ter um futuro melhor.

    ResponderExcluir
  14. Raiane n°29 1°2

    Na minha opinião a Angola e pais que possui muitas chances de reverter sua estado de pobreza...muitos paises ricos poderiam se motivar e fazer campanhas para arrecadar fundos para ajudar as pessoas,pois todos deviam ter sensibilidade!O que deve ser a pior coisa do mundo e voce estar com fome e não ter nada pra comer,ainda e horrivel saber que á muitas pessoas que morrem de fome,com tantas pessoas gastando seu dinheiro com luxo e outras não tendo nem um pão pra comer...acho tudo isso uma injustiça!

    ResponderExcluir
  15. 1º2 Isaac n]13
    Em relação a falta de alimento eu acho que existe mais pessoas contras do que a favor,pois eu sou um deles . Muitas pessoas sofrem de desnutrição mais uma delas são as crianças, que sofrem desnutrição severa por culpa do colapso da produção alimentar em razão da seca registrada no primeiro trimestre do ano.
    alem delas está o desemprego, que com a falta de alimento as pessoas ficam desempregadas,pois ficam se ter o que colher.
    Nesse mundo á pessoas muito ricas mas também muito pobres mais humildes com as pessoas.

    ResponderExcluir